Filipenses 3.1-11

Jesus mostrou que tem interesse de que a alegria dele esteja em nós e a nossa alegria seja completa (“Tenho lhes dito estas palavras para que a minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa. – João 15.11).

Mas porque não vivemos esta alegria? Será que entendemos bem o chamado de Deus para nós?

v.1

Paulo se preocupa em mostrar que a alegria q está no Senhor.  Pela palavra, vemos com o Senhor vê e nos alegramos! O que a Palavra de Deus pensa sobre os problemas:

  • Deus pode tudo. “mas para Deus todas as coisas são possíveis”. (Mateus 19.26)
  • Quero isso por causa de mim ou de Cristo? “Pois dele, por ele e para ele são todas as coisas.” (Rm. 11.36a). O que nos entristece nas situações ruins é o egocentrismo.

vs. 2-6

O lema equivocado da fé nos méritos pessoais é: “seja uma pessoa correta e será salvo”. Esta é a confiança na carne. A maioria das religiões considera Deus menor do que realmente é, e o homem maior do que realmente é. (Ap. 3.17)

Se nosso estado pecaminoso é perigoso, nosso destino é pior. “O salário do pecado é a morte” (Romanos 6.23; Veja Hebreus 10.26-31).

Mas, o mesmo Paulo, que em Romanos 7.24 disse: “Miserável homem que eu sou! Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte?” Também disse isso: Mas… “Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor!”. O Deus justo que não podia deixar impune o ímpio, mas Ele mesmo providenciou Jesus Cristo que satisfez a sua justiça.

Há dois termos muito importantes em romanos 3.22-26.

“Redenção” (v.24) é o ato de pagar o preço de escravo para libertá-lo do seu atual senhor. E “Propiciação” (v. 25) é o ato de satisfazer as exigências que tornam alguém propício, favorável.

A morte de Cristo serviu como redenção, pagamento do salário do pecado e propiciação, tornar Deus favoráveis a nós quando deveríamos receber a sua ira. Portanto, mais uma vez… “Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor!

Nosso erro era uma visão profundamente aumentada de nós mesmos e extremamente diminuída de Deus. A melhor resposta a atitude Cristo é buscarmos este tesouro precioso com humildade (2 Crônicas 7.14).

Orar todos oram, até incrédulos. Clamar, só os quebrantados. Cantar, todos cantam, até incrédulos. Adorar, só os humildes. Trabalhar para igreja, todos podem, mas servir no Reino só os pequeninos. Somente os que compreendem quão miseráveis são e quão sublime Deus é, tem a benção de serem aceitos por Deus em Cristo Jesus.

vs. 7-11

Todo o esforço feito anteriormente na convicção que estava agradando e sendo aceito por Deus deve ser considerado perda, dano, prejuízo, por causa de Cristo (v.7). Tudo o que Paulo pensava fazê-lo merecedor de Deus foi considerado perda (vs. 5,6) (Mateus 16.26)

Nenhuma mão suja de lama poderá produzir algo limpo e puro. Até nossas atitudes justas “são como trapo de imundícia” (Isaías 64.6).

Por isso é que os olhos do pecador brilham e se alegram com a possibilidade de ser aceito gratuitamente por Deus, por pior que tenham sido, como se sentiram os gentios (Atos 13.48).

Todo o meu esforço anterior é perda, porque só considerei valioso só enquanto não conhecia algo de valor maior. (v.8; Mateus 13.44-46)

Quando reconhecemos a “suprema grandeza do conhecimento de Cristo” decidimos abrir mão de todo o comportamento religioso cheio de orgulho que tínhamos e abraçar a Deus de forma humilde e implorativa.

Não simplesmente perdemos tudo, mas, ganhamos a Cristo. (vs. 7-11)

Cristo é o que humildemente ganhamos. E tudo o que orgulhosamente fazíamos é o que decidimos perder. Este o espírito do cristianismo verdadeiro. (v.8)

O que há de precioso em Cristo?

Ele próprio. O caráter de Cristo é impressionante e temos muito que aprender com Ele. Sendo Deus Justo, ele é capaz se oferecer para sofrer sobre si o cálice da ira de Deus (Mateus 26.13), receber sobre seus ombros todos os nosso pecados (Isaías 53.5) e obedecer por todas as coisas que viveu (Hebreus 5.8). Sendo Senhor, agiu como servo (Filipenses 2.5-7). Aprendemos a nos relacionar com Deus e com as pessoas à medida que conhecemos Cristo e o seu caráter. À medida que isso acontece, não nos consideramos merecedores de nada, estando prontos a servir ao Senhor e as pessoas.

Seu poder. Este poder da ressurreição nos faz livres do álcool, da mentira, da pornografia, do orgulho, da ira, da inveja, da amargura. Cria uma nova criatura em nós, praticante das obras que Deus preparou, antes da fundação do mundo para que andássemos nelas (Efésios 2.10).

Seu treinamento. Homem nenhum focado em si mesmo consegue viver a vida de Cristo. Ele precisa morrer e ser ressuscitado para Cristo. Este é o propósito para o que fomos salvos (2 Coríntios 5.17). Este é o treinamento de Cristo. Os sofrimentos a que Cristo nos submete são úteis para nossa humildade (Atos 14.22). O método do Filho é o método dos filhos de Deus: “ele aprendeu a obedecer por meio daquilo que sofreu;” (Hebreus 5.8).

O ápice do ministério: ser digno de sofrer por causa de Cristo (Atos 5.41).

Conclusão

* Alegres, glorificamos a Deus em nossas tribulações enquanto aprendemos a ser humildes.

* Alegres, conhecemos cada vez mais o seu poder que nos permite superar qualquer tentação ou tribulação, pois podemos todas as coisa naquele que nos fortalece.

* Alegres, conhecemos cada vez mais um Cristo humildes, que nos ensina a considerar os outros superiores a nós mesmos e Deus infinitamente soberano sobre nós.

Assim, mesmo com provações e lutas contra o pecado podemos nos alegrar no Senhor.

Outra vez eu digo, podemos nos alegrar no Senhor.

Deixe seu comentário ou dúvida

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s