A Igreja do Senhor e as Festas Juninas

A festa junina gera alguma dificuldade para que alguns cristãos possam discernir se devem ou não se envolver. Em especial, por causa da mistura de elementos religiosos e culturais. E fora do ambiente religioso, estas festas parecem ser realizadas apenas ou muito mais com a intenção de diversão.

Mas, o que realmente pensa a Igreja Católica?

Na opinião de Dom Manoel Delson Pedreira da Cruz (bispo de Campina Grande (Paraíba), a religiosidade nas festas juninas é tão forte quanto no início, mas é preciso resgatar cada vez mais sua principal motivação. “Vamos falar da vida dos santos e do testemunho que eles deram. Esse eu creio que é o trabalho evangelizador da Igreja. Não devemos excluir uma coisa da outra, mas procurar dar esse sentido forte do Evangelho”. (http://noticias.cancaonova.com/brasil/festas-juninas-brasileiras-conheca-a-origem-e-sua-religiosidade/)

Há itens do paganismo como “simpatias” e fogueiras usada em festas realizadas na Europa durante o mês de junho e que nos séculos 16 e 17, para invocar espíritos que abençoassem a nova safra e que foram trazidos pelos portugueses para o Brasil.

Mas, o que pensa a Palavra de Deus?

Precisamos considerar que o ídolo não é nada em si mesmo (I Cor. 8.4). Nenhum daqueles que são “venerados” neste período podem influenciar em nossa condição diante do Deus verdadeiro e único (I Timóteo 2.5). E se comemos comidas envolvidas nestas festas também “não seremos piores… nem melhores” (I Cor. 8.8). Portanto, ninguém deve comer ou deixar de comer preocupado com isso e se o vizinho trouxe uma canjica, não fique perguntando se é oferecia em festa junina. Agradeça e coma.

Porém, precisamos tomar cuidado, quando alguém declara sua devoção ao santo enquanto faz o que faz. Ou seja, se alguém participa da festa e daquilo se envolve por devoção ao santo e convida você a participar de algo como refeição, simpatia, quadrilha e coisa assim, dentro deste contexto, tal convite não deve ser aceito. Isso para que o incrédulo não pense que você concorda com a veneração àqueles ídolos (I Cor. 10.25-30).

“Pois, se alguém que tem a consciência fraca vir você que tem este conhecimento comer num templo de ídolos, não será induzido a comer do que foi sacrificado a ídolos?” (I Cor. 8.10). Parafraseando, “se alguém que tem a consciência fraca vir você que tem este conhecimento, comer em uma festa junina, não será induzido a comer do que foi consagrado a ídolos”?. Em outras palavras, mesmo que você participe, com discernimento, sabendo o que realmente pode afetar a você ou não, outros que não possuem o mesmo conhecimento se envolverão em veneração por não ter o conhecimento que o crente maduro tem.

Desta forma, o ensino bíblico é que a participação nestas festas com a intenção de venerar ídolos é pecado e mesmo que não se tenha esta intenção, sabendo que há pessoas no local que tratam o evento com esta motivação, não é sábio. E sabendo o que os textos bíblicos dizem que é sábio fazer, e ainda assim não fizer, estará pecando.

Por estes mesmos motivos, não é conveniente que a igreja do Senhor realize festas com este tema e nem que seus membros participem de festas juninas. Não por causa da nossa própria consciência, mas por causa da consciência dos fracos e incrédulos.

Podemos viver sem isso.